SAÚDE

Projeto Um Bonde Chamado Desejo

Em 1999, diante do alto índice de encaminhamentos de alunos, por professores da rede municipal do Rio de Janeiro para o setor de Psicologia do Juizado da Infância e da Juventude da Barra da Tijuca, um grupo de profissionais de diferentes áreas (psicanalistas, professores, pedagogos, assistentes sociais, advogados e economistas) foi convidado pela 7ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) para dar início ao trabalho em campo da Entrelaces.

 

Naquele momento, considerávamos como nosso principal objetivo fornecer um instrumental analítico aos professores regentes – os instrumentos pedagógicos são fornecidos pela equipe da divisão pedagógica da CRE – para poder operar com autonomia e criatividade diante da angústia que os paralisava no seu fazer diário. Acreditamos que ao fazer uma pessoa falar e ouvir o que ela tem a dizer, questões são levantadas e possíveis soluções construídas em um processo de análise e síntese, objetivando a criação e modificação de construções de pensamento e ações que fazem parte do modo de operação de cada indivíduo.

Em 2001, ampliamos nosso projeto para os gestores das unidades escolares, no entanto, pudemos verificar que o trabalho de redimensionamento da tarefa educativa, exigia a ampliação da proposta para além dos muros da escola. Durante os 10 anos de trabalho com mais de 500 professores da rede municipal de educação do Rio de Janeiro, pudemos verificar que o que se expressava na sala de aula como fracasso escolar e distúrbio de comportamento estavam diretamente associados à violência que permeia o dia-a-dia dos alunos.  Diante de tal verificação, concluímos que era preciso incluir a família e a comunidade de forma à criar um ambiente integralmente saudável.

Como fatores causadores da violência dentro da escola, observamos que a fragmentação da instituição familiar e a crescente demanda de mão-de-obra pelo narcotráfico, oferecendo ganho imediato.


Com base nas propostas do Programa de Desenvolvimento da Educação (PDE) e do movimento Todos pela Educação, a Entrelaces propõe desenvolver o talento que muitas vezes se dispersa por falta de interlocução e direcionamento. Não é possível perseguir a equidade sem promover o enlace entre todas as forças envolvidas no complexo processo de educar.